23 março, 2010

Poesias para a Alma - Tertúlia

por Evandro Luiz Santin
Tertúlia

No palco dos dias
o peão não usa, pala, piucha,
a prenda não usa o seu vestido armado
estes são costumes que se vê só em CTGs

Já a guaiaca essa pede remendo
porque os pilas andam escassos
ou braço é curto
e o fundo é muito baixo.


Os xirús que aqui
cravaram suas raízes
cruzaram o Rio Uruguai
trazendo na mala
o mate, o laço, o amor tropeiro
escondido no chapéu tapeado.

Mas na luta do oficio
faço da lida minha sina,
para não esquecerem
do pago amado
no derrubar da tardinha
na frente do bolicho
se ouve uma gaita
que apanha nas mãos da prenda
igualzito as contas em dia de pagamento
e ali a prenda vai fazendo verso de idéia
não deixando secar as origens que ficaram
do outro lado do Uruguai, na estância onde nasceu,

Se queres conhecer tua origem gaúcho
não se faça de acanhado,
pois no engatinhar de setembro
os gaúchos vem para o limpo na semana farroupilha,
ali terás a vida bruta de campanha
e o taura de lenço no pescoço
que vai te chamar para cevar um mate
e saberás quem são os maragatos e chimangos.

Um comentário:

Duda disse...

Mas bah! Té lembrei do tempo e o vento!

Ala puxa!